blog >>> Investimentos

Carteira de investimentos: como montar e diversificá-la

por Redação Xpeed 24/05/2021

Montar uma boa carteira de investimentos ao diversificá-la é um passo importante para uma série de resultados melhores, como:

  • Reduzir riscos;
  • Elevar o potencial de ganhos;
  • Criar uma estratégia de rendimentos que faça o seu dinheiro crescer, independentemente do cenário econômico.

Essa estratégia simples que é a diversificação de carteira pode fazer bastante diferença para quem não é muito seguro para sair dos investimentos mais conservadores, mas ainda deseja reduzir os riscos de fazer aplicações com mais volatilidade.

Dessa forma, se você quer fazer o seu dinheiro render mais e com segurança, mas não tem ideia de como começar, a Xpeed vai detalhar para você o que acaba sendo o segredo do sucesso de grandes investidores: a diversificação de carteira.

 

O que é uma carteira de investimentos diversificada

Primeiro, é importante saber que a diversificação de uma carteira de investimentos consiste em uma estratégia de realizar investimentos de diferentes classes, tipos e mercados.

A intenção, basicamente, é garantir uma exposição variada aos riscos, o que permite proteger melhor o seu patrimônio.

Assim, os recursos são alocados em proporções diferentes, de modo a balancear as características e potencializar as chances de resultado.

Uma vez aprendido como dividir os investimentos, é possível diminuir a exposição a cenários e condições de um mesmo tipo, entende?

Na prática, você não está exposto aos impactos de somente uma instituição ou setor e, então, a desvalorização de um ativo pode ser compensada pela valorização de outro, por exemplo.

Isso significa que a diversificação de carteira reflete não só na redução dos riscos, bem como podendo haver uma diminuição de eventuais perdas, especialmente em renda variável.

 

Para que serve carteira de investimentos diversificada?

Além dos motivos já citados baseados nos prováveis resultados que uma carteira de investimentos diversificada proporciona, outro ponto é o fato de o mercado brasileiro e o cenário macroeconômico mundial estarem sempre sujeitos a incertezas.

Com isso, é praticamente impossível saber exatamente como serão os rendimentos dos investimentos em um prazo mais longo.

Pequenas situações no meio do caminho podem mudar significativamente os cenários.

Por tudo isso, é de extrema importância não colocar todo o dinheiro em um único ativo que pode sofrer em caso de um choque.

 

Como montar uma carteira de investimentos

Agora que compreende melhor a importância e do que se trata uma carteira de investimentos diversificada, analise os principais passos necessários para que conclua da melhor maneira possível esse processo.

Isso porque saber como montar uma carteira de investimentos diversificada é essencial na hora de enriquecer.

 

1º passo: conheça seu perfil de investidor

Antes de fazer qualquer escolha dentro da sua carteira de investimentos, é preciso conhecer, primeiro, qual o seu perfil de investidor – é praticamente inviável alcançar melhores resultados e constantes sem essa parte.

Isso significa entender qual é o seu apetite ao risco e de quanta segurança está disposto a abrir mão em troca de um potencial maior de ganhos.

Se ainda não sabe qual é o seu perfil, então pense nisto: o quanto você tolera perdas e se sente desconfortável diante de possíveis perdas de rentabilidade?

  • Caso sua resposta seja de tolerância zero, você tende a ter o perfil conservador;
  • Caso tenha um certo apetite por rentabilidades maiores, mesmo que com um pouco de risco, você tende a ser um investidor moderado;
  • Agora, caso não tema por possíveis perdas, seu perfil é mais alinhado com o perfil agressivo.

Assim, entender seu perfil ajuda a saber como dividir os investimentos, em termos de classes, tipos e riscos.

 

2º passo: identifique seus objetivos e prazos

Conhecer os objetivos de curto, médio e longo prazo é outro fator muito importante e que precisam estar alinhados aos investimentos.

Por isso, lembre-se de que existe o tripé do investimento, formado por:

  • Segurança;
  • Rentabilidade;
  • Liquidez.

Por exemplo, se você quiser um investimento seguro e com resgate diário (alta liquidez), é provável que ele não seja tão rentável.

Agora, caso espere que ele tenha alta liquidez e grande retorno, aí provavelmente não será tão seguro.

Mas se for seguro e rentável, espera-se que a liquidez seja menor.

Assim, para um objetivo de longo prazo, é possível investir com um pouco mais de riscos – mas sempre dependendo do seu perfil primeiro.

Por outro lado, se a intenção for investir para reserva de emergência (planos de curto prazo), é necessário escolher uma alternativa segura e com liquidez alta.

O cumprimente de saber alinhar objetivos e prazos a investimento aumentará suas chances de alcançar seus sonhos desejados.

 

3º passo: explore as alternativas do mercado

Neste momento da preparação da sua carteira de investimentos, é preciso partir para o entendimento a respeito do mercado.

Afinal, como alinhar objetivos e prazos a investimentos se não conhecemos, pelo menos, o suficiente de cada classe de ativos?

Por exemplo, na renda fixa, é possível investir em títulos públicos e privados que são prefixados, pós-fixados ou híbridos, em que se costuma haver mais previsibilidade nos rendimentos, ou seja, mais segurança.

Na renda variável, o investimento em ações é o mais cobiçado, mas ainda há alternativas em derivativos da Bolsa (como Opções) e em fundos diversos (como Fundos Imobiliários, Fundos Multimercados, Fundos de Índice e outros), e por aí vai.

A partir do momento em que se sabendo como cada possibilidade funciona, é possível entender como é a correlação entre elas.

Desse modo, há como selecionar alternativas que têm comportamentos distintos e que estejam de acordo com o seu perfil.

Aliás, é importante frisar que é melhor optar por investimentos descorrelacionados ou com correlação negativa.

Por exemplo, as ações geralmente têm um desempenho oposto ao movimento dos investimentos que envolvem a Selic.

Isso quer dizer que se a taxa de juros cair, o mercado acionário se valoriza, enquanto os títulos perdem retorno – tal cenário indica uma correlação negativa e, portanto, é um indício da diversificação verdadeira.

 

4º passo: reanalise a carteira periodicamente

Para que a sua carteira de investimentos diversificada garanta resultados significativos de modo que siga atendendo suas necessidades e expectativas, é muito válido que faça análises dela periodicamente.

Isso porque com o tempo seus objetivos podem mudar, por exemplo, e aí, consequentemente, seus investimentos possivelmente mudariam.

Então, veja se os seus objetivos permanecem o mesmo e confira como os resultados dos investimentos têm sido.

Dependendo do contexto, você pode estar disposto a correr mais ou menos riscos, ou o mercado ter mudado de modo considerável.

Dessa forma, se adaptando e realocando os recursos, é mais viável manter a carteira relevante e diversificada de acordo com as suas preferências.

Botão Quero Gerenciar Meus Riscos e Diversificar Minha Carteira

Redação Xpeed

>>> Newsletter

Informações, novidades e conteúdos exclusivos diretamente no seu e-mail.