blog >>> Investimentos

Como aplicar em dólar no Brasil: 5 principais formas

por Redação Xpeed 12/10/2021

Por conta de muitos fatores que fazem do dólar a principal moeda do mundo nas trocas econômicas, por exemplo, “como aplicar em dólar no Brasil” acaba sendo a curiosidade e o interesse de diversos investidores.

E a Xpeed vem para abordar exatamente esse assunto além de outros aspectos que envolvem essa moeda tão conhecida em todo o planeta.

 

Por que investir em dólar?

Por conta de os Estados Unidos, país de origem do dólar, terem uma economia mais dinâmica, costumam sair de crises mais rapidamente que a maioria dos países – até o Brasil.

Isso quer dizer ao possuir investimentos na moeda norte-americana, você tem mais segurança de não perder dinheiro, por exemplo.

Assim, o dólar funciona como uma espécie de proteção para suas aplicações e até futuros gastos.

Para quem viajará ou terá algum tipo de custo no exterior, pode muito bem se beneficiar dos investimentos nessa moeda como caminho de equilibrar esses consumos.

A propósito, mesmo que não pretenda sair do país, investir nela ainda pode ser uma forma de proteção.

Isso porque ter dinheiro investido no dólar, enquanto o mesmo se valoriza em cima do real – ou seja, a nossa moeda nacional desvaloriza -, você pode sofrer menos com a perda do poder de compra aqui no Brasil.

Além disso, mesmo que aconteça nenhum desses dois cenários, investir nessa moeda também é uma ótima forma de diversificar sua carteira de investimentos.

 

O que preciso saber antes de investir em dólar?

Primeiro, o fato de a moeda norte-americana oferecer mais segurança que outras no geral, não impede que ela mesma sofra diante de algumas crises econômicas, sim.

Até porque investir em dólar significa investir em renda variável, o que representa maior volatilidade e menos garantia de que você terá retorno com suas aplicações.

Outro ponto importante é que, no Brasil, o valor do dólar varia tanto de acordo com o cenário econômico global quanto com o do próprio país.

Em outras palavras, mesmo que o dólar esteja desvalorizado no mercado internacional por algum motivo, ele pode estar valorizado em relação ao real, e vice-versa.

De todo modo, investir em dólar é mais indicado para quem já possui aplicações em outros ativos, como renda fixa, ações e outros produtos financeiros.

 

Como aplicar em dólar no Brasil?

Finalmente chegamos ao ponto principal deste conteúdo, então verifique abaixo as formas mais comuns para colocar em prática o como aplicar em dólar no Brasil.

 

1. Compra de papel-moeda

A primeira alternativa, na verdade, não representa um investimento de fato, afinal, está sendo feita uma compra e não um investimento em si.

Isso porque a aquisição do papel-moeda não gera fluxo algum para você e não traz benefícios quanto aos juros – ou seja, não está ligada ao lucro ou rendimento.

Aliás, essa compra pode até mesmo representar custos mais altos, já que se dá na cotação do dólar turismo e envolve taxas maiores do que aquelas do mercado financeiro.

Por isso, mesmo que muitas pessoas adquiram o dólar fisicamente como forma de proteção, a estratégia não apresenta vantagens no mercado.

Além disso, existe certa insegurança em relação a roubos ou furtos no local em que você guardar as cédulas.

Mesmo assim, a compra do dólar diretamente ainda pode ser útil para situações específicas, como uma viagem internacional – orienta especialistas.

Nesse caso, diversos turistas costumam optar por fazer a compra antecipada para se proteger do câmbio e evitar taxas de cartões de crédito.

 

2. Mercado futuro

Aqui, a ideia é que a pessoa se comprometa a comprar ou vender uma certa quantidade de dólares em uma data futura por um preço previamente combinado.

Então, se você avalia, em determinado cenário, que o dólar se valorizará sobre o real no próximo ano, pode comprar um volume de dólares em um vencimento futuro por uma cotação pré-definida – com lastro na cotação ainda subvalorizada.

No exemplo mostrado acima, você lucraria, mas esse ativo pode tanto valorizar quanto desvalorizar, só que o preço previamente determinado se mantém.

Dessa forma, no momento de vencimento do contrato, os investidores podem ganhar com a valorização ou perder com a desvalorização.

Esse tipo de operação, feita pela mediação de corretoras, funciona por contrato cheio ou mini e, nele, a tributação segue a alíquota dos investimentos em renda variável.

Por conta de o mercado futuro ser complexo e apresentar riscos significativos de oscilação, ele costuma ser bastante utilizado para atividades de especuladores.

Por isso, para esse público, o objetivo não seria tanto o de proteger a carteira, mas de obter ganhos com a variação das moedas.

 

3. Fundos cambiais

O nome se deve ao fato de serem fundos de investimento que alocam dinheiro em ativos atrelados a moedas estrangeiras, como o dólar e o ouro.

Nessa situação, você não compra a moeda diretamente, mas, sim, investe em um fundo em que profissionais fazem a gestão dos investimentos.

O investimento em fundos se dá pela compra das cotas, podendo ser feita diretamente na plataforma da instituição financeira, ao analisar os produtos que ela oferece.

Além disso, possuem boa liquidez, o que viabiliza você conseguir resgatar o dinheiro com rapidez, poucos dias após a solicitação de saque, caso precise ou deseje.

A propósito, neste tipo de operação, encargos como Imposto de Renda, taxa de administração e IOF (para operações de compra e venda em menos de 30 dias) podem ser cobrados.

Os fundos cambiais estão entre as opções mais utilizadas em como aplicar em dólar no Brasil por investidores com a meta de proteção e estabilidade.

 

4. ETFs

Os ETFs (Exchange Traded Funds) são mais uma estratégia sobre como aplicar em dólar no Brasil.

Também funcionam como um tipo de fundo de investimentos, mas com foco em acompanhar e replicar um índice econômico.

Nesse caso, é possível escolher um ETF que acompanhe algum índice que responda à dinâmica de valorização do dólar, mesmo indiretamente, como o S&P 500.

Tal índice reúne os 500 ativos cotados nas Bolsas de NYSE e da NASDAQ – ambas dos Estados Unidos.

Só que a primeira reúne empresas tradicionais com foco no setor industrial, enquanto a outra reúne as de tecnologia.

 

5. Ações

Que fique nítido: não todas as ações são alternativa para aplicar em dólar, mas, sim, aquelas de empresas de fora do país ou brasileiras exportadoras – pois em grande parte dos casos as receitas são em dólares.

E isso é possível conseguir sem mesmo realizar investimentos diretamente no mercado internacional.

No entanto, vale lembrar que negociar ações na Bolsa de Valores, não é simples como investir em renda fixa, por exemplo.

Por isso, procure estudar bastante sobre o assunto antes de começar ou contar com a ajuda de profissionais para evoluir uma das formas de como aplicar em dólar no Brasil. Inclusive, recomendamos que você se inscreva em um curso completo, que apresentará tudo o que você precisa para dar os primeiros passos na hora de investir na Bolsa. Clique abaixo e confira:

Imagem da campanha de um curso online sobre "Começar a Investir na Bolsa de Valores" da Xpeed School.

Conclusão

Há muitas décadas, o dólar vem se fazendo uma moeda de extrema importância no mundo.

Não à toa, ela até se torna uma forma interessante de investimento, já que, pela própria força, acaba oferecendo mais segurança do que aplicações em outras moedas, por exemplo.

Contudo, fazer investimentos atrelados à moeda norte-americana não anula a exposição do investidor a cenários de risco.

Por isso, considere seu perfil de investidor e tolerância a riscos antes de procurar saber como aplicar em dólar no Brasil.

E caso siga em frente, estude o suficiente para lidar com as aplicações que envolvem essa moeda.

 

Redação Xpeed

>>> Newsletter

Informações, novidades e conteúdos exclusivos diretamente no seu e-mail.